sábado, 6 de dezembro de 2008

SONETO Nº 33

Pois cá, meus senhores, digo-lhes com lhaneza,
Que, creio eu, seria de grande valia
Pudessem as pessoas morrer por um dia;
Tal, faria a vida melhor, com certeza.

Seria, em vida, ter, da vida, alforria;
Poder não estar vivo e, sem estranheza,
Despertar, rever os conceitos de beleza;
Sorrir de coisas das quais, antes, não sorria.

Ah, como me aprazeria esta chance...
Poder velejar e de novo voltar ao cais...
E poder sonhar... Sonhar... Sonhar à outrance

Morrer, voltar... Por este dia, imortais...
Pensem comigo, ainda que de relance...
Quem sabe até desejem um dia... Ou mais...

Nenhum comentário: