segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

SONETO Nº 30

Todo desprezo corre o risco
De gerar uma cruel vingança.
É sempre desleal quem a lança
E não mede atos neste fisco.

Desprezei o medo; sua trança.
E ele pousou tal e qual cisco
No olhar d’um coração arisco
Que à coragem não mais alcança.

E foge de mim por razão banal,
Tornando triste o que foi ledo;
Deixando-me em solidão fatal.

Se for para mudar tal enredo
E ela ter coragem, afinal;
Volto eu a sentir o tal medo!

Um comentário:

Alessandra disse...

As vezes, o melhor antídoto contra o medo e a vingança é o sangue frio.
Com o sangue frio e o tempo, as coisas se acomodarão.
O silêncio é um aliado de sabedoria.
Tudo passa, como uma onda no mar.
Você desprezou?
Tem medo da vingança?
Fique firme e aguente as pontas.
Reze muito para que haja força e perdão.
Fique em silêncio.... recolha-se...
Com o sangue quente e a exaltação só vai piorar.
Calma, amigo.Tudo passa.
A vida se renova.
E cada dia escrevemos uma nova página da nossa vida.
Vamos cometer muitos erros, como todo mundo.
MAS, O IMPORTANTE É QUE RECEBEMOS NOVAS PÁGINAS PARA CONTINUAR ESCREVENDO... E podemos sempre ser mais cuidadosos. Com a eternidade vamos adquirir habilidades. Que acha?